A Trabalhadora Negra em Debate: reflexões acerca do feminismo negro na produção acadêmica de Administração

PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIP/UFOP 2020/01

Descrição: O tema da mulher no mercado de trabalho tem sido discutido de forma mais ampliada pela academia da Administração. Muito ainda há que ser feito, já que as estruturas opressoras ainda se encontram bastante inabaladas nas organizações produtivas e na sociedade. Ao realizarmos uma superficial análise sobre o tema da mulher negra no mercado de trabalho, percebemos como há pouca publicação, e ainda menos se buscamos sobre o feminismo negro. Será que a academia da Administração tem equivalido a luta das mulheres brancas e negras, tratando-as como se fossem a mesma luta? O que será que explica essa baixa publicação sobre o tema? Como tal temática tem sido debatida nos círculos críticos, em que os pesquisadores arvoram-se a trazer temas controversos? Das pessoas que estudam o tema da mulher negra no mercado de trabalho, quais são suas abordagens epistêmo-teóricas? Qual o lugar que as autoras negras brasileiras tais como Djamila Ribeiro ocupam nessas publicações? Quais autoras negras são trazidas pelos acadêmicos para se discutir a questão da mulher negra no mercado de trabalho? Buscando-se responder a essas questões e compreender como o tema da mulher negra tem sido debatido pela academia de Administração, propomos esta pesquisa. Assim, a pergunta de pesquisa proposta é: como o tema da mulher negra no mercado de trabalho tem sido analisado pelos pesquisadores da Administração no Brasil? Tal será feito com o cotejamento da produção encontrada com as obras das grandes feministas negras, sejam das clássicas como Ângela Davis, sejam das contemporâneas e brasileiras, tais como Djamila Ribeiro. Sabemos que a construção discursiva realizada pela academia constrói espaços de poder capazes de produzir e reproduzir estamentos sociais. A voz da academia pode ser voz de luta ou voz de acomodação; pode ser voz de mudança social ou voz de resignação. Fazemos nossa escolha de utilizar de nossa voz e nosso espaço de poder político como forma de mudança social, de denúncia e de luta. Analisar a publicação acadêmica brasileira sobre o tema da trabalhadora negra é ampliar o espaço para discussão e mobilização política, bem como criar bases, conforme o status da ciência, para agendas de pesquisa e projetos de ação seja na comunidade acadêmica ou na sociedade como um todo.

Equipe: Carolina Machado Saraiva (coordenadora), Ana Flávia Rezende (coordenadora adjunta) e Amanda Arlinda (bolsista)

Produção Científica e Tecnológica

Apresentação Encontro de Saberes 2020: clique