A Rememoração como Categoria Política sobre a Queda da Barragem de Fundão: um estudo do programa Vimver

Em 2015 a barragem de rejeitos de Fundão em Mariana se rompeu ocasionando impactos socioambientais e socioeconômicos, sofrimento e mortes. Em 2016, foi criada a Fundação Renova e dentre suas funções encontra-se o desenvolvimentos de projeto de educação social e meio ambiente. Para tal, foi desenvolvido o projeto VimVer, que tem sido o principal meio de recepcionar turistas em Mariana e esclarecer para eles o que foi a queda da Barragem de Fundão e quais as medidas já tomadas pelas empresas para reparação dos danos. Entendendo-se que “contar o que aconteceu” é uma categoria política carregada de interesses particulares e ideológicos, que busca construir uma dada forma de realidade, bem como estabelecer as bases para visões de futuro sobre o assunto, propõe-se nesta pesquisa analisar quais os sentidos contidos nas narrativas do programa Vimver. O objetivo dessa pesquisa é, portanto, compreender como o desastre tecnológico da queda da barragem de Fundão é construído pelo programa VimVer da Fundação Renova e suas reverberações crítico-políticas. Para o alcance desse objetivo, será utilizado como aporte teórico a obra de Benjamim (1987) intitulada Sobre o conceito de história. Se as fontes sobre o rompimento da barragem – Programa Vimver – são os instrumentos de domínio da Indústria Cultural sobre os semiformados, o que resta à história dos atingidos é rememoração de cada dia após o crime.